APOIO/PATROCÍNIOS

APOIO/PATROCÍNIOS

domingo, 22 de março de 2009

HÉRNIA DISCAL - A MINHA COMPANHEIRA

Apresento-vos aquilo que tem sido a minha companheira de uns anos a esta parte: uma hérnia discal.

Durante 15 anos de remo de competição fui cultivando uma hérnia discal, que se revelou na penúltima prova que fiz (num nacional de veteranos).
O que inicialmente me parecia apenas uma lombalgia veio posteriormente a ser diagnosticada como sendo uma hérnia discal. Só após vários exames de imagem, de entre os quais o TAC e Ressonância Magnética, se pôde concluir que efectivamente se tratava de uma hérnia. Fiz várias sessões de fisioterapia e hidroterapia, para amenizar os efeitos da mesma, no entanto estes revelaram-se ineficazes.
Hoje em dia ela vive comigo todos os dias e não há um único dia em que me esqueça dela. Umas vezes é um pequeno desconforto, enquanto que outras obrigam-me a descansar mais as costas (estas são raras, felizmente). Muito raramente tenho irradiação na perna esquerda, mas quando isso acontece trata-se de uma coisa muito leve.
Na prática do triatlo, não tenho tido problemas, tenho um quadro maior do que o meu tamanho e isso faz com que nao obrigue as costas a uma posição racing, ganho pois mais conforto (resta saber se me prejudico noutros aspectos).
No futuro há que esperar para ver o seu desenvolvimento e se algum dia haverá a necessidade de ser extraída.

Ultimamente tenho notado que quando me obrigo a uma postura mais aerodinâmica e aumentando a força no pedal, acabo o treino com um enorme desconforto na zona lombar. O posterior descanso e relaxamento dessa zona é inevitável.

Se repararem na imagem da ressonância magnética, além de se evidenciar perfeitamente a hérnia a pressionar a raiz medular, poderão ver que imediatamente abaixo começa a surgir uma segunda, onde já se nota a evasão do conteúdo do disco vertebral. Já agora e só a título informativo, todos os discos deteriorados são os que se apresentam a preto (bem visível na 2ª imagem).

Bons treinos



12 comentários:

Anónimo disse...

Ola amigo, eu comprendo o que sentes mas tenta nao pensar nisso votos de rapidas melhoras, abraço jordão alves.

Chuva Vasco disse...

Sim claro, não se pode pensar muito nisso, até porque se me sentisse muito mal, nem sequer poderia ter esta intensidade de treinos.

Abraço e boas treinassas

Anónimo disse...

ó vasquinho pá toca mas é a deixar d ser preguiçoso lol lol lol...
fizemos 21,2 kms ñ foi nada mau pr um domingo de um fim de semana relaxante lol...

abraço e motivação para esta semana..
abel

Chuva Vasco disse...

Andamos uns animais, ahahahah

Força aí na semana

Anónimo disse...

Descobri minha hernia lombar ha uns 3 anos quando comecei a treina para meia maratona ( amadora).
Agora, 1 ano depois de nao sentir nada voltei a esticar as corridinhas de 10 km e tive outra crise pesada.
Estou pensando em comecar o triathon pq nao consigo ficar parada.
Foi bom ler sua historia… volto meus treinos essa semana!

Chuva Vasco disse...

Olá Anónimo,

passados 5 anos, o teu comentário fez-me reavivar este tópico.
Hoje em dia, as coisas estão um pouco melhores, por força do hábito? Por ter melhorado? Não sei que resposta dar. no entanto, é um facto que passado todo este tempo me sinto um pouco melhor. Desde então já fiz vários Iornman's algumas ultramaratonas e nunca a hérnia foi impedimento, muito pelo contrário, noto, ao contrário do que os médicos diziam, que me sinto melhor com os treinos. É claro que é importante o reforço abdominal e dorsal. Tenho esperança que com o tempo ela venha a desaparecer.

Anónimo disse...

Prezados! Eu estou na mesma situação do "Anônimo". Eu tenho 30 anos e descobri há dois anos que tenho hérnia de disco na lombar (L4/L5 e L5/S1). Sempre tive uma vida ativa correndo, pedalando com os amigos na cidade e em trilhas, jogando basquete, mas eu nunca tinha treinado para provas amadoras de ciclismo ou corridas.
Eu sentia dores nas costas, mas achava que era uma dor normal que todos às vezes sentem. Porém, descobri a hérnia depois de sentir uma dormência na perna direita, pois procurei um neurologista e fiz a ressonância. Até essa época eu nunca tive quadro agudo de dor, apenas a dormência na perna.
Eu penso que nessa época eu não fui bem orientado pelos médicos que fui. Esse neurologista (neurocirurgião) simplesmente me falou que a hérnia é uma doença degenerativa, que não adiantava eu fazer nada que não melhoraria, que nenhum exercício que eu fizesse reduziria o avanço da hérnia e que eu deveria “ter uma vida normal”. Simplesmente ele me disse que quando o quadro piorasse que era para eu voltar que ele me operaria. Pesquisei bastante e me indicaram um ortopedista especializado em coluna. Esse me falou que eu deveria fazer já uma microcirurgia chamada Spinejet e que isto melhoraria muito meu quadro e eu poderia ter uma vida normal, sem abusos, depois.
Acabei que sem nenhuma orientação médica razoável eu ignorei esse problema e “vivi normal” por 2 anos. Durante esse período eu malhei sem orientação, fiz vários pedais, corri provas curtas de 5 e 10 km. No ano passado eu resolvi encarar uma primeira meia maratona e me apaixonei pela corrida. Nesse período, como eu estava buscando uma vida mais saudável, eu resolvi buscar novamente um médico que me orientasse sobre a hérnia. Eu estou agora com outro ortopedista de coluna que me passou um tratamento aparentemente mais razoável, visto que esse não falou para eu ignorar o meu problema e também não quis me operar já de início. A proposta desse médico é que eu faça pilates e RPG durante um ano para no final desse tempo fazer uma outra ressonância e ver a evolução da minha coluna. O problema que esse médico pediu para eu ficar pelo menos um ano sem correr NADA, que era justamente a atividade que estava me motivando.
Como eu fiquei na dúvida se realmente faria sentido eu suspender totalmente a corrida, ou se através do fortalecimento abdominal e lombar eu poderia voltar a correr aos poucos, eu resolvi pesquisar sobre esse tema na internet eu cheguei a este post.
Desculpe pelo longo texto, mas eu quis contar o meu caso e dizer que fiquei muito feliz com todo esse relato que li aqui. Eu não quero abrir mão da corrida, pretendo retomar os meus treinos e até mesmo mirar uma maratona e um triátlon olímpico. Quem sabe um ironman algum dia? =D
Obrigado e bons treinos!

Chuva Vasco disse...

Caro anónimo,

fico satisfeito que o meu blog, em particular esta postagem, possa contribuir para a partilha de opinião/informação, de um mal de que muito padecem.
É um facto que a hérnia é uma doença degenerativa, porém, também é comumente aceite que as hérnias tendem a atenuar, nalguns casos desaparecer, com o avançar da idade. Ao longo dos anos vão-se processando reacções que acabam por progressivamente "comerem" a hérnia, isto no entanto só é válido quando não abusamos da coluna,e levamos uma vida tranquila, quando andamos por aí a saltar, correr, e a abusar dela, estamos certamente a contrariar esse princípio.
Já há cerca de 10 anos que a tenho e da minha experiência posso apontar algumas formas dela não me chatear muito:

1º - Reforço muscular da zona abdominal, e lombar, isto é imprescindível. Realizo abdominais numa bola de pilates, o que reduz o risco de agravamento da lesão.

2º - ter uma postura muito correcta, desde o levantar até ao deitar. Levantar de lado e não de frente, apanhar objectos fazendo uso das pernas e não da coluna, etc. ajuda a minimizar o agravamento da lesão.

3º - Água, muita água deve ser bebida. Quando bebo mais água, noto uma diminuição do desconforto, isto porque os discos ficam mais cheios, o que consequentemente provoca um maior afastamento das vértebras, e claroreduz a pressão da raiz.

Nunca deixei de fazer desporto, e sinto-me melhor quando estou a exercitar o corpo, será psicológico? Possivelmente, pouco importa!
A micro-cirurgia também a ponderei, e até ao momento, a minha é opinião é: não! Desde logo porque não tenho ciática, e porque consigo ter qualidade de vida suficiente, quando isso deixar de acontecer, pois bem, nessa ocasião terei de reavaliar, e muito provavelmente optar por fazê-la.

Desejo-te boa sorte com a tua "companheira", e óptimos treinos, venha daí esse Ironman.

Anónimo disse...

Olá, sou ciclista amador, apaixonado pelo esporte, competições todos os meses durante dois anos e treinos excessivos neste período, resultado: uma protusão discal L4-L5, isso foi diagnosticado em jan/2016, hoje maio/16 depois de inúmeras seções de acupuntura, fisioterapia, Pilates e academia.. começo a me sentir melhor e penso em retornar aos treinos claro nunca esquecendo de reforçar meu CORE, agora uma dúvida, depois de todos estes anos que se passaram, ainda pratica seus exercicios? como esta a sua hernia? como é o seu dia a dia em relação com ela?

Obrigado

Chuva Vasco disse...

Olá,

As hérnias, dependendo do seu grau de evolução, não são incapacitantes, cheguei a ler relatos de pessoas que tinham dores horríveis, e que após cirurgia continuaram a fazer a sua vida normal. No meu caso, tive um primeiro momento com algumas dores na lombar, mas que foram desaparecendo com o tempo. Existeum processo regenerativo no nosso organismo que tende, ao longo dos anos, em fazer desaparecer a hérnia. Há quem, diga que quem se mantiver calmo, sem grandes excessos desportivos, que ela pode quase desaparecer por completo (disto tenho dúvidas).
Actualmente faço tudo o que me apetece em termos desportivos, nunca parei, dores não tenho, e muito raramente tenho desconforto lombar, e faço provas que me dispensem muito tempo a correr, e na bicicleta (Ironman, ultramaratonas, etc.). Há dois anos fiz 850 kms de bicicleta seguidos, e nunca senti que tinha uma hérnia fiscal.
Bem, nem tudo é bom, eu sei que tenho a hérnia, e vivo com ela diariamente, enquanto posso fazer 850 kms de bicicleta, estar 30 minutos parado em pé é um suplício.
O trabalho de core é fundamental, duas vezes por semana faz muito bem. Também o trabalho propioceptivo ajuda bastante, recomendo que o faças.
Desejo-te uma rápida recuperação e que os treinos sejam uma alegria.
Qualquer coisa, dispõe.

Chuva Vasco

Marcos Aurelio Scarton Junior disse...

Olá,

Obrigado pela resposta, também tive dias ruins com a lombar, no momento o que me fere é dor na lateral do joelho que vem desde janeiro junto com o descobrimento da hernia, o que estou tratando como sidrome do trato iliotibial mas até agora sem resultados :(, também sentia dores na lateral da panturrilha que desde o mês passado acalmou e quase não sinto mais, e dores atrás da coxa quase na inserção do trato com o joelho, tá difícil o meu retorno ao ciclismo, toda vez que tento treinar essas dores voltam aparecer, isso que não faço 10% do que fazia antes... tentando regressar o mais devagar possível, mas não perco a esperança, a minha paixão é mais forte e esperarei e farei oque for preciso para retornar ao meu esporte.

Obrigado pela resposta, é sempre bom ouvir outros depoimentos.

Bons treinos....
Abraço

Chuva Vasco disse...

Olá Marcos,

Estou a passar pelo mesmo problema, a síndrome e da banda iliotibial, há quase 1 mês que estou parado, e começo a ficar preocupado porque tenho uma prova em agosto, e a data aproxima-se.

Boa recuperação para ti, e bons treinos na medida do possível.

Abraço